Agora Rainha do Pancrease, Vivi Araújo sonha com voos mais altos no MMA.

Depois de vencer a experiente Emi Fujino na edição 298 do Pancrease, atleta da Cerrado MMA sente que chegou a sua hora na América.

Acostumada a títulos na arte suave, a brasiliense Vivi Araújo, construiu sua carreira no MMA com tranquilidade tendo uma boa assessoria dos treinadores e companheiros de treino, dentre eles o UFC Fighter Vicente Luque.

Vivi acumula duas vitórias no Japão, onde na última conquistou o cinturão de forma consistente impondo sua melhor movimentação e maior envergadura sobre uma atleta experiente e com torcida a favor.

“Esse cinturão na verdade coroa todos os anos que tenho me dedicado as artes marciais, são anos de lutas no BJJ, Muay Thai, Boxe, Wrestling e Luta Livre, quero continuar esse crescimento no MMA e vejo que meu caminho aponta para os EUA nesse momento, mas se vierem coisas melhores de outras praças estarei pronta.” – conta

Vivi tem contrato de exclusividade com o evento japonês, onde as possibilidades são pequenas de que a libere para lutar em outros eventos senão os americanos.

Daniel, líder da Cerrado, tem a mesma opinião de Vivi, e acha que o momento aponta para a América.

“A Vivi já passou por muita coisa no MMA, desde muito tempo não é unidimensional, modéstia a parte nós a servimos bem de treinamento e se a oportunidade chegar, ela estará preparada.” – explica Daniel, líder da Cerrado MMA.