Alonso dá adeus à Fórmula 1, mas o melhor ainda pode estar por vir

Foto: Getty Images

Na última terça-feira (14), Fernando Alonso acabou com principal mistério que cercava a Fórmula 1: o espanhol anunciou que está se aposentando da categoria ao final desta temporada. É o fim da passagem de um dos pilotos mais talentosos da história do certame, que deixará muita saudade nos fãs, mas que poderia ter um legado maior.

Após estrear em 2001, pela Minardi, o espanhol passou o ano de 2002 como piloto de testes da Renault, sendo preparado para assumir o posto de titular da montadora em 2003. Desde então, a ascensão foi meteórica: piloto mais jovem a vencer um Grande Prêmio, campeão e bicampeão mais jovem da história, quebrando a hegemonia de cinco anos de Michael Schumacher e Ferrari, se colocando no posto de principal nome para suceder o heptacampeão.

Mas, de lá para cá, não conseguiu progredir na carreira como todos esperavam. Da saída brigada da McLaren, ao retorno à Renault, passando pela Ferrari e a volta à McLaren, nenhuma das escolhas de Alonso deu certo, cada uma por suas circunstâncias. Mas mais importante do que ficar listando esses motivos, é falarmos do que será o seu futuro e seu legado como piloto profissional – não apenas como atleta da F1.

Mesmo com “apenas” dois títulos, Alonso é, indiscutivelmente, um dos melhores pilotos da história da categoria – e ele vem provando isso ano após ano. Mas após passar muitas temporadas longe das vitórias, ele parece ter se cansado de não ser competitivo. Em 2017, ele abriu mão de disputar o GP de Mônaco para participar das 500 Milhas de Indianápolis e, em sua primeira experiência em um carro da Fórmula Indy e em ovais, largou em quinto e chegou a liderar a prova por 27 voltas até que seu motor Honda o deixou na mão e obrigou o abandono. E neste ano, decidiu disputar a super-temporada do Mundial de Endurance com a Toyota e já venceu suas duas primeiras corridas na categoria – incluindo as 24 Horas de Le Mans, feito inédito na história da montadora japonesa.

Agora que dá adeus à F1, o Príncipe das Astúrias embarca de cabeça na busca pela Tríplice Coroa do automobilismo: vencer o Grande Prêmio de Mônaco, as 24 Horas de Le Mans e as 500 Milhas de Indianápolis. E, como garantem os colegas do site “Grande Prêmio”, ele já tem um acordo para disputar a temporada 2019 da Indy com a Harding para buscar a última peça do quebra-cabeça e se tornar apenas o segundo piloto da história a conquistar o feito.

Seja na Indy, no WEC ou em qualquer outra categoria, “Don Fernando” seguirá mostrando porque é um dos melhores e mais completos pilotos da história. Se a Fórmula 1 atual não tem mais espaço para Alonso, pior para a F1. Melhor para o espanhol e para seus fãs, que irão voltar a desfrutar de todo o seu talento em sua plenitude, brigando por vitórias e títulos em outro lugar.