O meia Léo Franco foi a principal contratação do America para o Carioca | Divulgação/Marcio Menezes

America x Bonsucesso: tradição entra em campo pressionada no Carioca

É apenas uma estreia, mas America e Bonsucesso entram no gramado do Estádio Giulite Coutinho, às 20h30 desta quinta-feira, em Mesquita, pressionados. Na véspera, os dois times viram a Cabofriense golear o Resende por 3 a 0 e o Macaé superar o Goytacaz por 3 a 1 e abrirem vantagem na tabela de classificação da primeira fase do Campeonato Carioca, que oferece as duas últimas vagas disponíveis para a etapa final da competição, que começa dia 16 de janeiro. Não se afastar das primeiras posições já na primeira rodada é o desafio dos dois clubes mais tradicionais da disputa.

De volta à primeira divisão, de onde ficou afastado por um ano, após ser rebaixado em 2016, o América tem um elenco repaginado: chegaram 13 reforços em relação ao time vice-campeão da Série B1 esse ano. Sem jogadores conhecidos ou badalados, a principal contratação é o meia Léo Franco, que se destacou na Série B1 pelo Itaboraí.

Em campo, outra novidade deve ser o retorno do goleiro Felipe. Recuperado de uma lesão na coxa direita, sofrida na final da Taça Corcovado, contra o Audax, o jogador passou por um processo de recuperação nas dependências do Corinthians, e São Paulo, antes de retornar ao clube para a renovação do contrato por mais um ano, que será seu quinto no America.

– Consegui voltar antes do previsto inicialmente, e isso foi graças aos fisioterapeutas que me acompanharam incansavelmente. Uma lesão nunca é boa, num momento decisivo é pior ainda. Quando saí de campo naquele jogo, tinha certeza que o Thadeu iria entrar e segurar o resultado. No jogo do acesso, depois da lesão e de sair do hospital, tendo a notícia de que havíamos conseguido nosso objetivo, valeu toda dor e sofrimento até o recebimento da notícia, pois tinha certeza que nada do que havia feito, teria sido em vão – afirma.

Treinador do Bonsucesso, Marcelo Salles está otimista com uma boa estreia. O rubro-anil foi o primeiro clube a iniciar preparação para a disputa da primeira fase da competição e tem treinado na sede da Comissão de Desportos da Aeronáutica, em Sulacap, onde utiliza uma estrutura no nível dos melhores centros de treinamento do país. Após alguns testes preocupantes, o time ganhou consistência nos jogos-treino e venceu os últimos quatro realizados.

– O trabalho foi completo, não tivemos nenhum tipo de problema com lesão. Evoluímos nos pontos de vista técnico, tático e físico e tudo deu certo. Esperamos chegar em uma condição boa de disputa e crescer dentro da primeira fase, porque acreditamos que esse processo de evolução é continuado. Ainda temos pontos a evoluir e esperamos que esse desenvolvimento aconteça. Estamos preparados e esperamos fazer uma grande partida – garante.

O retrospecto do confronto é de profundo desequilíbrio, no qual a balança pende favoravelmente ao clube da Tijuca. Em 117 partidas, foram 79 vitórias do Diabo, 29 empates e apenas 25 triunfos do time da Leopoldina. O histórico aponta um adversário que, para os americanos mais otimistas, parece feito sob medida para interromper uma sequência de 15 edições de campeonato sem vitórias em estreias. Uma dúvida que só será sanada após os 90 minutos de jogo.