Botafogo marca no fim em empate amargo com a Portuguesa

O empate em 2 a 2 com o Botafogo poderia ser considerado um bom resultado para a Portuguesa, mas ver o alvinegro empatar o jogo no último minuto, depois de ter aberto dois gols de vantagem deixou um sabor amargo na estreia do time da Ilha do Governador, no jogo que marcou a abertura do Campeonato Carioca, na noite desta terça-feira (16), no Estádio Nilton Santos. O resultado preserva um tabu de 52 anos. A última vitória do time insulano sobre o Glorioso tinha sido no remoto 1966, um ano tão atípico que o título da competição terminaria em Moça Bonita.

LEIA TAMBÉM: Guia do Livesporte.com conta o que esperar de cada clube no Campeonato Carioca

Os primeiros minutos foram de maior posse de bola do Botafogo. Disposta a observar o desempenho alvinegro antes de atacar, a Portuguesa sabia que seu maior tempo de preparação deixava seus atletas em vantagem física para apostar na velocidade dos contragolpes. Aos nove minutos, o excesso de vontade terminou em gol. Em cobrança de escanteio, a bola tocou a cabeça de Alexandro, Luan tentou escorar, e Sassá apareceu livre na sobra para abrir o placar: Portuguesa 1 a 0.

O gol não fez bem ao jogo da Lusa. Com a vantagem aberta cedo, o time retomou sua postura defensiva. Se faltou capacidade de articulação, sobraram paciência e jogo limpo para administrar a vantagem em um jogo que mais parecia treinamento de ataque contra defesa. Aos 29, Gilson acertou cabeçada à queima-roupa, mas Milton Raphael demonstrou estar com os reflexos apurados e salvou sua equipe de sofrer o empate.

Aos 35 minutos, a Portuguesa mostrou que também tinha sua estrela solitária. Confiante com o gol marcado, Sassá arriscou chute da entrada da área, a bola foi no meio do gol, mas Jéfferson falhou e a aceitou: 2 a 0. O ídolo levantou o braço para os companheiros e para a torcida, admitindo a falha e pedindo desculpas. Como resposta, teve seu nome gritado nas arquibancadas do Nilton Santos.

O segundo gol fez o técnico João Carlos Ângelo passar o cadeado na defesa da Portuguesa e esconder a chave logo no início da segunda etapa. Mas ele não contava com o erro primário de Romarinho. Aos oito minutos, a defesa insulana afastou o perigo de cruzamento de Valencia. Na sobra, o atacante errou o cabeceio e a bola tocou suas mãos na descida: pênalti. O estreante Brenner cobrou no canto direito. Milton Raphael acertou o lado, mas não chegou a tempo: 2 a 1.

O aumento do número de substituições permitidas, que passou de três para cinco, tornou o jogo desorganizado na sequência da segunda etapa. As alterações, feitas ao atacado, em pleno início de temporada, prejudicaram o entrosamento e o ritmo. Aos 26 minutos, Jhonnathan tentou cortar cruzamento e ia jogando contra o próprio patrimônio, mas Milton Raphael voltou a mostrar que estava atento aos companheiros e salvou a Lusa novamente.

Os quatro minutos de acréscimos foram decisivos para o Botafogo. João Paulo cobrou escanteio aos 48 minutos, Brenner desviou para o meio da área e, de primeira, Marcos Vinícius deixou tudo igual, reduzindo o prejuízo alvinegro: 2 a 2.

Os dois times vão buscar a primeira vitória na competição neste fim de semana. No sábado, a Portuguesa recebe o Madureira, às 16h, no Estádio Luso-Brasileiro. Uma hora depois, o Botafogo entra no gramado do Maracanã para o clássico com o Fluminense.

Botafogo 2×2 Portuguesa

Estádio Nilton Santos (Rio de Janeiro)

Árbitro: Bruno Arleu de Araújo

Assistentes: Silbert Faria Sisquim e Luiz Antônio Muniz

Botafogo: Jéfferson: Arnaldo, Carli, Igor Rabello e Gilson; Matheus Fernandes (Rodrigo Lindoso), João Paulo, Luiz Fernando (Lucas Campos), Leonardo Valencia (Marcos Vinícius) e Rodrigo Pimpão (Ezequiel); Brenner. Técnico: Felipe Conceição.

Portuguesa: Milton Raphael; Cássio, Luan, Marcão e Diego Maia; Muniz (Abuda), Jhonnatan, Romarinho (Manteiga), Maicon Assis (Phillip) e Sassá (Rayllan); Alexandro. Técnico: João Carlos Ângelo.

Gols: Sassá – Portuguesa (9 e 25/1º tempo); Brenner – Botafogo (8/2º tempo) e Marcos Vinícius – Botafogo (48/2º tempo).

Cartões amarelos: Cássio, Jhonnatan e Marcão (Portuguesa); João Paulo (Botafogo)

Público: 4055 pagantes

Renda: R$ 84.100,00