Bruno Tank fala sobre a importância do Jiu-Jitsu aplicado no MMA: “É parte primordial”

Bruno Tank ainda analisou a evolução dos norte-americanos e atletas de outras nacionalidades na modalidade

Co-fundador da Soul Fighters, Bruno Mendes ou apenas “Tank” como é popularmente conhecido no mundo o Jiu-Jitsu, é atualmente responsável por diversas academias no cenário norte-americano. Irmão mais velho de Augusto “Tanquinho”, um dos grandes nomes do Brasil não só no Jiu-Jitsu, como também no MMA, Bruno viu de perto a evolução que ambas as modalidades tiveram com o passar dos anos.

Com a evolução as artes marciais mistas, um atleta que quiser ganhar destaque na modalidade precisa aprender diversos estilos de lutas, ao contrário do que acontecia antigamente, quando a família Gracie reinava no UFC. Questionado sobre a importância o Jiu-Jitsu no MMA evoluído como está hoje, Bruno destacou a arte suave como primordial:

— Acho que o Jiu-Jitsu é essencial no MMA, o cara que luta MMA hoje em precisa ter uma parte em pé, seja o boxe ou muay thai, e uma defesa de quedas afiada, o wrestling é importantíssimo, além do Jiu-Jitsu é claro. Essas três valências são muito importantes, e o Jiu-Jitsu é parte primordial disso.

Professor de atletas de várias gerações, Bruno já viu de perto seus pupilos competirem em alguns dos maiores torneios de Jiu-Jitsu do mundo. Vendo de perto as conquistas do irmão não só no Jiu-Jitsu, onde é campeão mundial, como no MMA, onde acumulou uma passagem pelo Ultimate, o faixa-preta falou sobre a sua relação com as artes marciais mistas:

— Já trabalhei com MMA, principalmente com meus alunos, nada muito grande, sempre fui para eventos menores, já tive alguns alunos lutando, mas não é algo ao que me dedico. O meu foco é o Jiu-Jitsu mesmo, minhas academias são de Jiu-Jitsu, participo de alguma forma quando meu irmão tem luta, a gente sempre tá se falando sobre estratégia, esse tipo de coisa, mas estou aberto, se precisar, se alguém vir trabalhar comigo, estarei disposto a ajudar — destacou Tank.

O Brasil continua reinando no Jiu-Jitsu, seja no campeonato mundial da IBJJF, ou nos grandes torneios internacionais, porém, os norte-americanos vem evoluindo cada vez mais na modalidade. Na categoria sem kimono por exemplo, o norte-americano Gordon Ryan, Eldar Rafigaev da Moldávia e o francês Thomas Loubersanes lideram o ranking da IBJJF que tem o primeiro brasileiro classificado apenas na quarta colocação na faixa-preta.

Bruno falou sobre a globalização do Jiu-Jitsu, e a evolução dos norte-americano na modalidade:

— De uma forma geral, não só o MMA, como o Jiu-Jitsu está muito forte nos Estados Unidos, e acredito no mundo inteiro. As pessoas tem treinado, tem acesso a um Jiu-Jitsu de qualidade, trabalhando com pessoas sérias, então a tendência a essa, de evolução, independente da nacionalidade. O cara que é brasileiro, americano, se estiver treinando com as pessoas certas vão evoluir.

Coordenando a sua academia com sede no Texas, além de todas as filiais da Soul Fighters com a ajuda do irmão, Bruno “Tank” tem acompanhado de perto a evolução da modalidade no cenário norte-americano, no qual já ganhou diversos títulos, seja com a sua equipe, ou auxiliando seus alunos nas competições.