Caionã “Blade” derrota Eddy Silva no WOCS 51

Um dos confrontos mais esperados na categoria peso-galo aconteceu no último sábado(14), no WOCS 51. A luta entre Caionã “Blade” e Eddy Silva prometia ser a luta do ano, e cumpriu essa missão para brigar pelo Óscar do Prêmio Osvaldo Paquetá. Com direito a vitória por finalização de Caionã no terceiro round, após os dois primeiros rounds serem extremamente intensos.
No cage dois jovens, e muito promissores, lutadores que defendem bandeiras de academias que vem cada vez mais ganhando espaço no cenário nacional. De um lado a Fusion Fight, equipe de Caionã, que tem apenas 22 anos, para muitos o mais promissor peso-galo do país. Do outro lado a War Machine, equipe do talentoso Eddy Silva, um jovem de 23 anos que é multi-campeão no Muay Thai, e que até sua luta contra Caionã “Blade” somava quatro vitórias e nenhuma derrota.

A LUTA

Desde os primeiros instantes de luta era muito claro qual seria a postura da dupla de lutadores no cage, sairiam literalmente na mão, relembrando os tempos de Pride. Uma vitória colocaria um dos dois em outro patamar, e o primeiro round foi de dois trocadores com fome de vitória.

Se aproveitando da maior envergadura, Eddy Silva trabalhava os golpes da média para a longa, buscando sempre combinações de chutes e socos, esse era seu cartão de visitas, uma trocação pesada. O pupilo de Wendell Negão é um especialista na luta em pé, soma 31 vitórias em 31 lutas no Muay Thai profissional.

Alguns centímetros mais baixo, Caionã “Blade”, ex-campeão peso galo do Favela Kombat, caminhava sempre para frente, encurtando a distância e buscando combinações de jab, direto e chute baixo. Se existe um lutador capaz de se superar e provar a todos que está pronto para um cenário de guerra, esse lutador chama-se Caionã, um atleta que encaixa golpes com facilidade e parece ter um queixo de titânio.

Foto: Sandribas de Campos

O segundo round mostrou o mesmo cenário de guerra do primeiro, com os dois na trocação franca. Porém, o atleta da Fusion Fight começou a buscar mais a luta agarrada, alternando bons momentos na trocação aliado a excelentes quedas, além de parecer estar com fôlego 100%, mesmo lutando dois rounds intensos.

O terceiro e último round pareceu roteiro de filme, os dois lutadores trocando golpes duríssimos, até que Caionã aplicou uma linda queda em Eddy, conseguiu dominar as costas e encaixou um mata-leão, colocando um ponto final na luta e fazendo Eddy Silva amargar o primeiro game over da carreira.

– Minha vitória foi importante demais, encarei um dos caras mais duros na luta em pé da minha categoria, ele treina Muay Thai desde os 11 anos de idade e eu treino o MMA a apenas dois anos.Acho que provei com essa vitória que sou um cara duro, que posso ir longe. Tanto o Eddy quanto eu fizemos a melhor luta da noite, todos me elogiaram após a vitória. – exalta Caionã

Um momento de muita emoção foi quando a esposa e o filho de Caionã subiram no cage, o casal foi entrevistado pela Bruna Dealtry, repórter dos canais Esporte Interativo, e encerraram a entrevista com um beijo na frente das câmeras e do público local.

Foto: Sandribas de Campos

A EVOLUÇÃO DE CAIONÃ

É notória a grande evolução de Caionã “Blade” desde a sua mudança para a Equipe Fusion Fight, união entre Chute Boxe Rio e Gracie Barra, que aconteceu em dezembro passado, após “Blade” protagonizar uma luta épica com Charles Blackout, que já pertencia a Fusion Fight, atual campeão peso-mosca do WOCS.

Foto: Arquivo pessoal

Por pouco o jovem lutador não saiu com a vitória no WOCS 48, mesmo entrando com três pontos negativos por não ter batido o peso, performance que despertou o interesse dos líderes da Fusion Fight, que fizeram o convite para Caionã fazer parte do time. O processo de lapidação vem sendo muito efetivo, principalmente após o lutador aceitar a proposta de sair do emprego, era auxiliar de serviços gerais como jovem aprendiz em um hospital do Rio, e passar a receber o mesmo salário apenas para treinar, deixando o caminho aberto para a preparação e aprimoramento em sua nova equipe. Na Fusion Fight os lutadores possuem acompanhamento multi-disciplinar, além de uma excelente estrutura para os treinamentos e camp.

Mirando disputar o cinturão dos galos no WOCS ainda este ano, Caionã traça o futuro de sua carreira no MMA.

– Eu só tenho que agradecer a minha equipe por toda ajuda, aos meus patrocinadores também que me ajudam a manter a chama do sonho acesa. Neste ano vou buscar o cinturão do WOCS, estou pronto para ganhar mais um cinturão. Em 2019 espero fazer minha estreia internacional, fazer minha carreira lá fora e em breve chegar ao UFC. Quero dar uma vida melhor para a minha família, essa é minha motivação quando subo no cage. – finaliza Caionã