Elaine “Pantera” enxerga oportunidade no Brave como a luta de sua vida

Considerada por muitos a melhor lutadora de Minas Gerais, Elaine Leal, atleta de 28 anos, está escalada para a edição 11 do Brave Combat Federation, marcado para o dia 13 de abril, que acontecerá na capital mineira.  O confronto, peso-palha, será contra a judoca Luana Pinheiro, lutadora que soma quatro triunfos e apenas um revés na carreira. Está será a segunda vez que o Brave promoverá uma luta feminina em seu card, antes Mariya Agapova nocauteou Yulia Litvinceva no Brave 6.

Profissional com 28 lutas de Muay Thai e tentando consolidar de vez seu nome no mma, Elaine Leal “Pantera”,  que é paulista radicada em Contagem, região metropolitana de Belo Horizonte, mãe de duas filhas adolescentes, conta um pouco sobre as dificuldades que passou na vida.

– As artes marciais mudaram minha historia. Comecei a treinar Muay Thai na WJ Fight e Cicero Team, pois meu ex marido me levava, sempre fui fã de luta. As coisas começaram a ganhar forma na minha relação com as artes marciais quando resolvi pedir uma bolsa na equipe de mma da Eudes Team, foi quando passei a me dedicar por inteira a isso. – conta

Acompanhada pelo mestre Eudes. Foto: Território Tupiniquim

No inicio a “Pantera” ficou 5 meses treinando, e além da rotina pesada de treinamentos encarava também o trajeto longo até a academia. Mesmo morando bem longe e com pouquíssimo dinheiro, ela encarava o deslocamento cansativo sem reclamar, sempre se manteindo focada no objetivo de se tornar uma grande lutadora para dar uma vida melhor para as filhas. Como era prajied preta de Muay Thai passou a dar aulas na academia, isso aconteceu no mesmo período de sua separação. Sabendo de toda a dificuldade da atleta, mestre Eudes preocupado com a pupila cedeu um pequeno quarto que existia na academia para ela reorganizar a vida.

– No dia que decidi me separar tinha eu não pude dar aula muay thai aos meus alunos e por isso liguei para o mestre Eudes, pedi que ele segurasse minha aula, expliquei que eu tinha saído de casa e tinha que resolver minha vida com minha filha mais velha. Ele preocupado comigo perguntou para onde eu iria, eu disse que ainda não sabia, foi quando ele me fez ofereceu um quartinho onde ele guardava material. Rapidamente limpamos e me alojei, desde então moro com minha menina na academia onde treino e dou aulas. – conta

Elaine soma 10 lutas em sua carreira profissional de mma, são cinco vitórias e cinco derrotas. Quando surgiu a oportunidade de assinar com um evento da magnitude do Brave, a atleta da GFT mergulhou de cabeça. Como todo lutador nacional, a mineira já fez de tudo para ir em busca do sonho de se tornar uma grande lutadora e fazer parte de um grande evento.

– O sonho de vencer no MMA  sempre foi cheio de altos e baixos, já lutei o Shooto e o FLC onde tive que fazer os exames exigidos pela CABMMA, e o investimento não é baixo. Para buscar esse sonho minha equipe e eu fizemos rifas, vaquinhas, fui aos sinais de transito com uma de minhas alunas para vender paçoca e juntar dinheiro para manter aceso a chama do meu sonho que é vencer na luta, as dificuldades são muitas, mas somos guerreiros aqui na Eudes Team e GFT. – revela

Além de sser prajied preta de muay thai, a pupila de Cesar Gordinho e Eudes é faixa azul de jiu jitsu e vem com um foco maior na arte suave nos últimos meses. Sabendo da necessidade de melhorar seu jogo de chão, Elaine vem disputando alguns torneios de jiu jitsu e recentemente conquistou o torneio intercontinental e também brasileiro.

Com Cesar Gordinho e a equipe GFT.

– Esse sonho já existe a 5 anos, parece que foi ontem que pedi pra treinar com meu mestre, nós desde lá nos superamos diariamente, as minhas dificuldades são as dele e vice versa. Depois de todo esse sofrimento enfim chegou a minha primeira oportunidade internacional, eu não vou desperdiçar, jamais! Estou treinando muito, ciente das minhas fraquezas, mas aparando as arestas a cada dia, meu treinador me apoia a participar de torneios de jiu jitsu e a poucos dias conquistei dois títulos importantes, o intercontinental e o brasileiro. Estarei preparada para qualquer rumo que a luta tome, seja na trocação ou na luta de solo. Melhorei meu jogo no chão e lapidei ainda mais meu jogo em pé, sem deixar de lado meu ponto forte que é a agressividade, quando eu entro pra lutar é pra cortar minha adversária. – conta

O convite para o Brave veio em boa hora, a atleta estava prestes a assinar uma luta no Skull Fighting Championship 2 para o mês de maio e viu as coisas tomarem o rumo que sempre sonhou para a sua carreira, lutar um grande evento internacional.

Registro após assinar contrato com o Brave.

– Graças a Deus no caminho eu fui encontrando algumas parcerias essenciais para meu desenvolvimento como atleta, por isso o meu agradecimento ao Cesar Gordinho da GFT, que hoje é um dos meus treinadores, e a pessoa que conseguiu essa luta pra mim, o Cristiano Martins, presidente do Prêmio Osvaldo Paquetá, que conheceu minha história através de uma matéria realizada pelo site Psicóticos Por Vale Tudo e desde então tem feito de tudo para me ajudar com minhas redes sociais, imagem e tentando conseguir apoio para meu trabalho. – declara

No dia 13 de abril, quando a porta do cage fechar, a “Pantera” defenderá não somente o sonho de assinar um bom contrato e ser reconhecida como lutadora, mas também a possibilidade de dar condições melhor as duas filhas, que são seu maior tesouro.

Momento descontraído com as filhas.

– Um dos motivos que tenho para cerrar os dentes e treinar para me tornar uma estrela do Brave é o fato de ter duas filhas, quero ter condições para dar uma educação de qualidade a elas e não passarem por momentos como os quais eu passei por conta de uma família complicada. No momento a minha prioridade é fazer diferença no Brave, pra mim não existe outro evento no mundo, quero ser estrela lá, quero que me amem no Brave, é nele que quero fazer minha história, e sei que vou conseguir. – finaliza

Main event com disputa de cinturão no Brave 11

Pela terceira vez no Brasil, o Brave 11, desta vez marcado para Belo Horizonte, no dia 13 de abril, colocará o cinturão interino dos leves em jogo com Luan “Miau” enfrentando Lucas “Mineiro”. Outro cinturão em jogo na edição 11 do Brave será o de meio-pesado, este será defendido pela primeira vez pelo brasileiro Klidson de Abreu. O cronograma de combates também conta com a estreia da casca-grossa do jiu-jitsu Bruno Malfacine, além de Gesias Cavalcante x Erivan Pereira e o ex-Bellator Rodrigo Cavalheiro enfrentando Alessandro Gambulino.

Mudança do local

O Brave fez o anúncio ontem, 26, que o evento marcado para Belo Horizonte, no dia 13 de abril, será realizado na Esplanada do Mineirão. Inicialmente, a edição 11 do evento aconteceria na Arena Mineirinho, porém, problemas burocráticos inviabilizaram a aprovação do local e a mudança foi oficializada.