Escalado para o UFC Chile, Felipe Silva quer emplacar sequência de vitórias começando por Claudio Puelles

A espera acabou, Felipe Silva está escalado para a primeira edição do UFC no Chile, o evento ocorrerá na capital Santiago, dia 19 de maio. A luta será contra o peruano Claudio Puelles, vice-campeão do TUF, pela categoria dos leves (70kg).

O brasileiro, de 33 anos, fará a sua primeira luta após sofrer a única derrota na carreira, ocorrida em setembro do ano passado, no UFC Roterdã, diante do russo Mairbek Taisumov. O lutador, grau preto de muay thay, é um dos homens fortes da equipe CM System, liderada pelo ex-UFC e ex-Pride, Cristiano Marcello.

Com um total de oito vitórias, Felipe vai encarar o lutador peruano conhecido como “El niño” e tem nove lutas na carreira, divididas entre sete vitórias e duas derrotas.

O oponente, Carlos Puelles, vem de derrota em sua única luta no Ultimate Fighting Championship, quando foi nocauteado por Martin Bravo, em setembro de 2016. O peruano possui quatro vitórias por finalização, duas por nocaute e uma por decisão.

Felipe Silva é um striker, soma seis das suas oito vitórias por nocaute, todos os nocautes foram no primeiro round, tudo graças a sua devoção ao muay thai, porém antes de trilhar seu caminho vitorioso na arte marcial thailandesa o lutador da CM System, que era um adolescente agitado, experimentou outras artes marciais e também se arriscou como jogador de futebol.

– Eu sempre fui agitado, dei um trabalho grande para minha mãe quando era pequeno. Eu andava de BMX, e até andava bem, mas busquei primeiro no futebol uma identificação com um esporte, mas confesso que não era bom e sempre chegava muito duro nos amigos de futebol, pois eu tinha muita força física e vontade, até que um professor de uma escolinha me disse que futebol não era para mim e que acreditava que o meu caminho estava nas artes marciais. Nao deu outra! Eu passei pelo judo, karate, taekwondo e finalmente cheguei ao muay thai. – conta

A primeira vitória no muay thai aconteceu aos 16 anos, quando em cima da hora foi convidado a lutar um evento na capital mineira, como havia levado o seu material na esperança que algo do tipo acontecesse, Felipe, que havia ido ao evento para acompanhar alguns amigos de treino, acabou vencendo sua luta por nocaute, mesmo o oponente sendo muito mais experiente e graduado.

– Me lembro que aos 16 anos e já treinando, acompanhei alguns amigos que lutariam um evento em Belo Horizonte, e de uma maneira inesperada aconteceu minha estreia. Eu sempre ouvi relatos de lutadores que ganhavam oportunidade no dia do evento, por isso eu levei meu material e fiquei torcendo para que algo acontecesse e eu fosse convidado para lutar. O fim desta história é um lindo nocaute e minha estreia vitoriosa. – revela

Felipe com Cristiano Marcello.

Em 2009 começou a história que formaria uma parceria campeã, com a saída de Cristiano Marcello da Chute Boxe, Felipe Silva recebeu o convite para ser um dos alicerces da nova academia liderada pelo carioca, a CM System.

– O Cristiano começou a montar o time em 2009, logo após a saída dele da Chute Boxe,  na verdade não tinha nem a academia montada, mas o projeto era muito promissor. cheguei a CM System por intermédio de um amigo, e fui me dividindo entre a minha cidade, Juiz de Fora, e a cidade de Curitiba. A CM System era uma equipe de MMA, fui o primeiro representante da luta em pé no time. Entrar para o time do Cristiano foi essencial para que eu migrasse para o MMA. – conta

A chegada no UFC aconteceu  em 2016, após somar sete vitórias e nenhum revés, incluindo cinco vitórias por nocaute no primeiro round, Felipe se credenciou ao maior evento de mixed martial arts do mundo. A estreia foi no UFC on Fox 21, contra Shane Campbell, onde o brasileiro só precisou de 73 segundos para nocautear o adversário.

Nocaute em sua estreia no UFC.

– Em 2012 fiz uma luta muito importante no Power Fight, contra o Rafael Teixeira, um cara que admiro muito e felizmente consegui vence-lo no primeiro round por nocaute. Eu já estava treinando a parte de chão e me preparando para migrar do muay thai para o mma. Em 2013 fiz minha estreia profissional no Nitrix Champion Fight, onde venci por nocaute no primeiro round. A luta que me levou ao UFC aconteceu na Finlândia, no Cage 35, quando consegui mais um nocaute contra Anton Kuivanen, atleta que já somava mais de 30 lutas na carreira. – conta

Ainda morando em Juiz de Fora, Felipe se mantém na ponte aérea com Curtiba, a expectativa é uma mudança em um futuro próximo, mas tudo isso muito bem planejado.

Aguardando um grande combate no Chile, Felipe, que além de ser preta no muay thai possui também a faixa roxa no jiu jitsu, espera apagar a última e única derrota e assim conseguir uma boa sequencia de vitórias para buscar algo maior dentro da organização.

– A expectativa é a melhor possível. Eu consegui digerir bem a minha derrota, aprendi com ela. Lutar no Chile será super importante, principalmente por ser uma primeira edição no país com certeza teremos casa cheia. Sei que meu oponente é um cara duro também, chegou a final do TUF e isso me motiva ainda mais. Eu estou de volta. – finaliza