Espanha vence o Irã com gol de sorte e encaminha classificação às oitavas

Foi preciso sorte. Afinal, os persas não estenderam tapetes – vermelhos ou de qualquer outra cor – para os espanhóis em sua defesa. Mas a canela de Diego Costa deu à Espanha sua primeira vitória na Copa e aproximou a Roja da classificação para as oitavas-de-final da Copa do Mundo. O triunfo sobre o Irã, por 1 a 0, na noite desta quarta (20), em Kazan, deixa os campeões de 2010 a um empate da vaga. Aos iranianos resta vencer Portugal na última rodada para fazer história e alcançar a fase seguinte pela primeira vez.

O jogo começou como se esperava. Conhecido pelas fortes retrancas, Carlos Queiroz montou seu ferrolho. Uma linha de seis defensores atrás de outra com quatro tentava proibir os espanhóis de adentrarem a área iraniana, assim como o governo do país faz com as mulheres nos estádios. E foi eficaz por mais de vinte minutos, nos quais o Irã, claro, não criou nenhuma oportunidade, mas em que a Espanha encontrou tamanha dificuldade que não conseguiu nem mesmo demonstrar  a boa bola jogada diante de Portugal na estreia. A primeira chance dos europeus só veio aos 24 minutos, quando David Silva cobrou falta e a barreira persa se esfarelou inexplicavelmente. Ainda assim, Beiranvand fez a defesa sem grandes problemas. Pouco depois, Silva tentou uma puxeta após toque de Piqué para dentro da área, mas mandou por cima.

Aos 40 minutos, porém, o Irã resolveu usar de um novo expediente, deixando de lado a gentileza demonstrada por seu treinador, Carlos Queiroz, no pré-jogo, quando ofertou um pequeno mimo a Fernando Hierro, comandante rival. Após atendimento a Haji Safi, os espanhóis devolveram a bola, mas o goleiro Beiranvand demorou a recolocá-la em jogo. Diego Costa chegou perto e provocou o adversário, chegando a dar um leve pisão no arqueiro. Foi o suficiente para o iraniano jogar a bola pela lateral antes de ir ao chão, urrando de dor. Quando se reergueu, os campeões do mundo em 2010 se negaram a devolver-lhe a posse da pelota. No fim da jogada, David Silva tentou finalização, mas foi travado por um marcador.

Mas a entrada de um novo jogador mudou a história do jogo no segundo tempo. Trata-se da sorte. Depois de uma rara tentativa de Busquets, defendida por Beiranvand em dois tempos, o Irã finalmente teve sua oportunidade, aos sete minutos da segunda etapa. Haji Safi jogo lateral para a área, Piqué cortou mas Ansarifard aproveitou o rebote, pegando de primeira e mandando para as redes, tirando o grito de gol da garganta da torcida. Infelizmente, para os iranianos, foi só ilusão de ótica. A bola passou poucos centímetros à direita da meta e tocou a rede pelo lado de fora. Azar puro. É que a sorte estava jogando do outro lado. Dois minutos depois, quando Diego Costa recebeu de Iniesta e girou dentro da área, Rezaeian tentou cortar, mas a bola bateu na canela do sergipano naturalizado espanhol e a intervenção iraniana se transformou no terceiro gol de Diego na Copa: 1 a 0 Espanha.

O Irã correu atrás e chegou a marcar. Haji Safi jogou lateral para a área e, após de bate-rebate, Ezatolahi bateu por entre as pernas de De Gea e saiu comemorando. O Henrique Dourado iraniano só foi avisado de que o árbitro apontara impedimento no lance depois de já ter corrido, saltado, cumprimentado a torcida e terminado sua oração. Os jogadores ainda pressionaram o uruguaio Andres Cunha, mas o árbitro de vídeo confirmou a marcação: Ezatolahi estava adiantado. Sem mais a fazer, o Irã tirou o ônibus da vaga em que estava estacionado, à frente do gol de Beiranvand e saiu para tentar o empate. E quase conseguiu, aos 37. Amiri canetou Piqué e cruzou na cabeça de Taremi, que mandou por cima. Após o susto, restou aos espanhóis fazerem o que sabem de melhor: trocar passes e administrar o resultado positivo.

Com a vitória, a Fúria – como os torcedores espanhóis não gostam de chamar a seleção, pois dá um azar danado – chega aos quatro pontos, se iguala a Portugal e fica muito próxima da classificação às oitavas de final. No encerramento deste Grupo B, os campeões de 2010 enfrentam Marrocos, em Kaliningrado. Já o Irã segue com chances de classificação. Mas, para isso, tem a difícil missão de parar Cristiano Ronaldo e vencer Portugal em Saransk. Lembrando que, na última rodada, os jogos acontecem no mesmo horário: dia 25, às 15 horas.

Irã 0 x 1 Espanha

Local: Arena Kazan  (Kazan – Rússia)

Árbtitro: Andres Cunha (Fifa/URU)

Auxiliares: Nicolas Taran (Fifa/URU) e Mauricio Espinosa (Fifa/URU)

Irã: Beiranvand, Rezaeian, Hosseini, Pouraliganji e Haji Safi (Mohammadi); Omid Ebrahimi e Ezatolahi; Ansarifard (Jahanbakhsh), Mehdi Taremi e Amiri (Ghoddos); Azmoun. Técnico: Carlos Queiroz.

Espanha: De Gea, Carvajal, Piqué, Sergio Ramos e Jordi Alba; Busquets e Iniesta (Koke); Isco, David Silva e Lucas Vásquez (Asensio); Diego Costa (Rodrigo Moreno). Técnico: Fernando Hierro.

Gols: Diego Costa (ESP – 9’/2T)

Cartões Amarelos: Amiri e Ebrahimi (IRÃ).

Cartões Vermelhos: Não houve.