Japão e Senegal ficam no empate e dividem liderança do Grupo H

Japoneses e senegaleses são, aparentemente, muito diferentes. Na cor da pele, na compleição física e, de repente, até nisso que você está pensando. Mas, na Copa do Mundo da Rússia, não existem equipes tão idênticas quanto Japão e Senegal. Quatro pontos em dois jogos. Quatro gols marcados, três sofridos. Uma vitória e um empate. O empate em 2 a 2, neste domingo (24), em Ecaterimburgo, deixa orientais e africanos juntos, iguaizinhos em todos os critérios, na liderança do Grupo H do Mundial. Mané e Wague marcaram para Senegal, Inui e Honda foram buscar, por duas vezes, o empate para o Japão.

Única equipe treinada por um técnico negro nesta Copa do Mundo, Senegal começou o jogo bem ao estilo de Aliou Cissé. Disciplinada, a equipe pressionava a saída de bola japonesa e encurralava os orientais no campo defensivo. Mas não finalizava com perigo. Até os 11 do primeiro tempo. Após cruzamento, a bola sobrou com Wague, na ponta esquerda. O lateral bateu firme, nas mãos do goleiro Kawashima. Mas, sabe-se lá por que motivo, o arqueiro resolveu dar um soco na bola. Ela tocou nas canelas de Mané e voltou direto para o fundo do gol nipônico. Frango de Kawashima: 1 a 0 Senegal. O suficiente para acordar os Samurais.

Aos poucos, o Japão passou a ter mais posse de bola e a explorar a velocidade de seus jogadores. Especialmente, Nagatomo, pela esquerda. O lateral do Galatasaray, da Turquia, deu o aviso aos 15: chegou no fundo e cruzou para trás, Hasebe chutou forte, mas Inui acabou jogando de zagueiro. Certamente arrependido, ele foi atrás de recompensar seu time. Quando Nagatomo fez mais uma boa jogada pela ponta esquerda, Inui roubou-lhe a bola. Por um bom motivo. Já dentro da área, ele ajeitou para a perna direita e colocou com efeito, no cantinho, para empatar o jogo – e o Grupo H – aos 33. Niang ainda teve chance de acabar com a igualdade geral e botar Senegal em vantagem antes do intervalo, mas o toque por cobertura não saiu legal e Kawashima se redimiu da falha no início do jogo.

Se o primeiro tempo terminou com as duas equipes iguais no placar, no início do segundo ninguém parecia disposto a deixar que o adversário levasse vantagem. O Japão começou atacando. Osako concluiu jogada de cabeça, para defesa de Khadim N’Diaye. Logo em seguida, veio a resposta senegalesa: Niang ganhou de Shoji e bateu por cima, com perigo. Não satisfeito, o centroavante de Senegal tentou de novo: de fora da área ele concluiu, mas Kawashima fez o que deveria ter feito no lance do gol dos africanos: segurou firme, no centro da meta. Para não ficar atrás, o Japão voltou a criar uma chance para Osako, aos 16, mas o centroavante oriental, dentro da pequena área, furou o chute de pé direito e desperdiçou. Não parou por aí. Se não deu concluindo, Osako resolveu servir. Deixou de calcanhar para Inui, que, em novo chute colocado, tirou do goleiro, mas parou no travessão.

Senegal, claro, não iria deixar passar em branco. Mané chamou Sabaly na ponta esquerda. Ele fez a finta sobre Shibasaki e cruzou, Niang não deu em bola, mas Wague fechou no segundo pau e fuzilou sem chances para Kawashima. Aos 26, Senegal voltava à frente do marcador e à liderança da chave. Para dar a resposta, o técnico Akira Nishino colocou Honda em campo no lugar de Kagawa. E o experiente meio-campista fez jus à escolha do comandante. Após cruzamento da direita, o goleiro Khadim N’Diaye falhou e a bola sobrou com Inui. O autor do primeiro gol nipônico cruzou e encontrou Honda sem goleiro, com o trabalho apenas de tirar do defensor que tentava, em vão, proteger a meta: 2 a 2.

Rigorosamente empatadas na liderança do Grupo H, com quatro pontos, as duas seleções que estiveram na ponta ao fim das duas primeiras rodadas ainda podem ser eliminadas no último jogo da primeira fase. Por isso, entram em campo ainda precisando de, ao menos, novo empate, para se garantirem nas oitavas. O Japão enfrenta a Polônia, na próxima quinta (28), às 11 horas, em Volgogrado. No mesmo horário, Senegal pega a Colômbia, no atrasildo estádio de Samara.

Japão 2 x 2 Senegal

Local: Arena Ecaterimburgo (Ecaterimburgo – Rússia)

Árbitro: Gianluca Rocchi (Fifa/ITA)

Auxiliares: Elenito di Liberatore (Fifa/ITA) e Mauro Tonolini (Fifa/ITA)

Japão: Kawashima, Sakai, Yoshida, Shoji e Nagatomo; Hasebe e Shibasaki; Haraguchi (Okazaki), Kagawa (Honda) e Inui (Usami); Osako. Técnico: Akira Nishino.

Senegal: Khadim N’Diaye, Sabaly, Koulibaly, Sane e Wague; Pape Alioune N’Diaye (N’Doye), Alfred N’Diaye (Kouyate) e Gueye; Sarr, Niang (Diouf) e Mané. Técnico: Aliou Cissé.

Gols: Mané (SEN – 11’/1T), Inui (JAP – 33’/1T), Wague (SEN – 26’/2T) e Honda (JAP – 33’/2T).

Cartões amarelos: Niang, Sabaly e N’Doye (SEN); Inui e Hasebe (JAP).

Cartões vermelhos: Não houve.

Público: 32.572 pessoas.