Japão perde para a Polônia, mas se classifica graças a cartões amarelos

As reconhecidas calma, paciência e sabedoria orientais nunca fizeram tamanha diferença esportiva para os japoneses. Dois cartões amarelos a menos classificaram às oitavas de final da Copa o Japão, em vez de Senegal, no Grupo H. Nesta quinta (28), em Volgogrado, os nipônicos souberam manter a disciplina mesmo na derrota sofrida diante da Polônia, por 1 a 0, gol de Bednarek. A vitória colombiana sobre Senegal pelo mesmo placar, fez com que os sul-americanos passassem na primeira posição da chave e levou o Japão à próxima fase na segunda colocação.

Os primeiros minutos do jogo demonstraram a regularidade das duas equipes. O Japão, bem treinado por Akira Nishino, manteve o bom nível de atuação e, mesmo poupando Kagawa e Inui, levou perigo ao gol polonês com Muto e Okazaki antes dos 20 minutos. Já a eliminada Polônia, um dos piores times da Copa apesar de ter alguns bons talentos individuais, como Lewandowski, fez um início de jogo tão ruim quanto suas duas partidas anteriores na competição.

A diferença entre um time organizado e entrosado e um verdadeiro bando em campo se traduzia em um maior volume de jogo japonês, mas não impediu que a Polônia quase abrisse o placar aos 33 minutos. Em contra-ataque, Kurzawa cruzou e encontrou Grosicki livre para cabecear. Mal posicionado, o goleiro Kawashima correu toda a meta e fez uma defesa espetacular, evitando o gol polonês que complicaria a classificação nipônica. Dali em diante, os europeus assumiram de vez a postura de zebra, impensável antes do início da Copa. Fechada atrás e saindo em contragolpes, a seleção polonesa melhorou no jogo, assustou o Japão, e levou a partida para o intervalo com um 0 a 0 que lhe dava o primeiro pontinho no Mundial e, ao mesmo tempo, empurrava os orientais às oitavas de final.

Mas era pouco para a equipe que chegou à Copa como favorita no Grupo H. Mantendo a postura fechada para depois sair em velocidade, a Polônia neutralizava os ataques japoneses e encontrou, em uma velha dificuldade dos adversários, o atalho para chegar ao gol. Aos 13 minutos do segundo tempo, Kurzawa cobrou falta para a área e o zagueiro Bednarek completou para as redes: a bola aérea ía tirando o Japão da Copa, uma vez que Colômbia e Senegal empatavam sem gols.

Por ter dois cartões amarelos a menos que Senegal, o Japão garantiu vaga nas oitavas mesmo com a derrota para a Polônia | Getty Images

Vendo a classificação escapar por entre os dedos, o treinador japonês lançou mão da reserva de talento que guardava no banco. Inui entrou no lugar de Usami. Em sua primeira jogada, o ponta esquerda tentou cruzamento mas não achou ninguém na área. Aos 27, o zagueiro Yoshida subiu, mas cabeceou para fora. A Polônia respondeu no minuto seguinte, sempre em contra-ataque. Lewandowski recebeu cruzamento quase na pequena área, mas, pressionado pela marcação, bateu de pé direito para longe.

Até que um gol mudou a história japonesa na Copa. E não foi em Volgogrado, mas em Samara. Mina colocou a Colômbia em vantagem contra Senegal, e o Japão na segunda posição do grupo, ainda que empatado em pontos e em todos os critérios de desempate com os africanos. A calma oriental, responsável pelo baixo número de cartões mostrados aos japoneses, era o que deixava os nipônicos dois pontos à frente dos senegaleses no critério do Fair Play.

Um gol polonês, no entanto, voltaria a deixar o Japão fora da próxima fase. E ele quase saiu, aos 35, quando Makino desviou em direção à própria meta, mas teve a pele salva pela grande defesa de Kawashima. Os instantes finais de jogo, com pouco interesse das duas equipes pelo ataque, receberam as justificadas vaias do torcedor em Volgogrado.

Os japoneses, no entanto, não se importaram com isso. Ao apito final do outro jogo, se reuniram no centro do campo comemorando a classificação. Pela primeira vez, desde 1986, uma equipe oriental conquista a vaga para a segunda fase da Copa do Mundo. No segundo lugar do Grupo H, os japoneses aguardam por Inglaterra ou Bélgica para conhecer seu adversário no jogo da próxima segunda (2), às 15 horas, válido pelas oitavas de final. Uma das maiores decepções do Mundial, a Polônia volta para casa com, ao menos, uma vitória.

Japão 0 x 1 Polônia

Local: Arena Volgogrado (Volgogrado – Rússia)

Árbitro: Janny Sikazwe (Fifa/ZAM).

Auxiliares: Jerson dos Santos (Fifa/ANG) e Zakhele Siwela (Fifa/RSA)

Japão: Kawashima, Hiroki Sakai, Yoshida, Makino e Nagatomo; Yamaguchi e Shibasaki; Gotoku Sakai, Okazaki (Osako) e Usami (Inui); Muto (Hasebe). Técnico: Akira Nishino.

Polônia: Fabianski, Bereszynski, Glik e Bednarek; Kurzawa (Peszko), Krychowiak, Góralski e Jedrzejczyk; Zielinski (Teodorczyk), Lewandowski e Grosicki. Técnico: Adam Nawalka.

Cartões Amarelos: Makino (Japão)

Cartões Vermelhos: Não houve.

Gols: Bednarek – Polônia (14’/2º tempo)

Público: Não foi divulgado.