JUNGLE FIGHT 92: Bem vindo a Selva

mamute1

No último sábado, 30 de setembro, aconteceu o JFC 92, no Mineirinho em Belo Horizonte-MG. Ao todo foram 17 lutas, 3 delas com disputa de cinturão (70kg, 66kg e 57kg), destas 17 lutas, apenas 6 foram para as mãos dos juízes, as outras 11 foram divididas entre nocautes(5) e finalizações(6).

Falaram de 3 mil pessoas no Mineirinho, mas, discordo deste número. Cerca de 5 mil pessoas compareceram para assistir um card espetacular, mesmo a chuva que caiu durante todo o sábado, não foi páreo para intimidar os apaixonados por MMA.

Cheguei no Mineirinho por volta das 16h50, fui recebido pelo presidente do Prêmio Osvaldo Paquetá, Cristiano Martins, que já havia reservado meu lugar a beira do octógono e também a minha pulseira de imprensa (quanta responsabilidade), logo no meu primeiro Jungle in loco. Em poucos minutos vi pela primeira vez o tão falado Wallid Ismaill, uma das figuras lendárias da academia Carlson Gracie, um multi-campeão e além disso, um dos grandes nomes da revolução no relacionamento: Patrocinador x Atleta.

Eu quis me apresentar de primeira, mas o Cristiano Martins disse que não era o momento. Andando de um lado para o outro, Wallid sempre ao telefone ou orientando o Staff, presenciei o próprio Wallid no centro do octagon orientando a colagem dos adesivos dos patrocinadores, sempre muito sério e com o olhar bem atento. Pouco tempo depois fui apresentado ao announcer do evento. A voz do Jungle seria do Sandribas, que conversou comigo durante pouco tempo até ser convocado pelo presidente do Jungle Wallid Ismaill, que queria se certificar pessoalmente que as entregas comerciais não falhariam.

Eu havia ido ao Jungle para narrar a transmissão via internet, como os detentores dos direitos não permitiram, decidi pela primeira vez assistir um evento de MMA solto, ora na arquibancada, ora nas cadeiras Vips, já havia traçado como seria meu primeiro Jungle. Antes de tudo fui cumprimentar o corpo de arbitragem, e principalmente o chefe deles que também é meu amigo pessoal, o mestre Flavio Almendra (Melhor árbitro de 2014 do Prêmio Osvaldo Paquetá).

Logo na primeira luta já pude ter noção do que teríamos pela frente, quando Macksuel Ferreira finalizou com um mata-leão o Rafael Gonçalves no 2R. Olhei para o Cristiano e falei: “Esse card tem tudo para ser o melhor do ano.”

E assim a noite e o card passaram muito rápido, as lutas foram de nível excelente, lutadores duríssimos, um prato cheio para os amantes do MMA nacional, consequentemente um evento que deve figurar dentre muitas categorias do Prêmio Osvaldo Paquetá (Óscar do MMA nacional).

mamute2
Nas 3 disputas de cinturão, apenas o Main Event (70kg) foi uma luta mais morna, pois, no 66kg e 57kg foram travadas verdadeiras batalhas medievais, superando inclusive as goteiras que surgiam no mineirinho e deixavam o octagon escorregadio. Na disputa da cinta de 57kg, Denis “3 dedos” e Bruno “The talent” trocaram porrada do início ao fim, luta que com certeza o Jungle vai repetir em uma outra oportunidade.

No fim do evento não consegui conversar com o Wallid, que aquela altura, já estava com o pensamento na edição n° 93. Vendo de perto, é válido e pertinente ressaltar que o sucesso do Jungle se deve muito ao comprometimento e a seriedade do organizador. Que venha a próxima edição, o MMA nacional merece.

Resultados do Jungle Fight 92:

Erick Parrudo venceu Cleiton Predador por decisão dividida – Cinturão 70kg

Felipe Cabocão venceu Caio Gregório por decisão unânime – Cinturão 66kg

Denis Três Dedos venceu Bruno The Talent por decisão unânime – – Cinturão 57kg

Marcus Montanha nocauteou Douglas Big Mionster aos 3m26s do 1R

Deivd Ramos venceu Luis El Dragon por decisão unânime

Carlin Soares finalizou Fernando ben 10 com triângulo aos 2m08s do 2R

Zeca Predador nocauteou Dill Furacão aos 53s do 1R

João Saldanha finalizou Erikson Lekin com triângulo de mão aos 53s do 1R

Rafael Cabeça nocauteou Júnior Marques aos 2m14s do 1R

Fabrício Negão venceu Marcus Sanatório por decisão unânime

João de Oliveira finalizou Jhony Winchester com mata-leão aos 2m15s do 1R

Luciano Boi venceu Tiago Naja por nocaute técnico aos 3m31s do 1R

Talita Guerreira finalizou Paty Borges com mata-leão aos 2m 46s do 1R

Neko ‘Doutrinador’ venceu Thiago Henrique por decisão unânime

Natália Silva finalizou Tarciara Santos com armlock aos 2m38s do 1R

Jonathan Branko venceu Kenner Xaropinho por nocaute técnico aos 4m33s do 3R

Macksuel Ferreira venceu Rafael Gonçalves com mata-leão aos 3m13s do 2R

Texto e imagens: Leandro Mamute