Leonardo Santos: Caminhos do Hexa – Os três mosqueteiros de Tite

Tite pode ser considerado o responsável por resgatar a confiança de Willian e Thiago Silva e a alegria de Neymar | divulgação

Você certamente já ouviu falar na história dos três mosqueteiros né? Caso contrário, resumirei para você caro leitor. No típico romance de capa-e-espada, D’artagnan é um jovem que vai até Paris querendo se tornar um membro do corpo de elite dos guardas do rei, os mosqueteiros. Chegando lá ele conhece três mosqueteiros (inseparáveis), Athos; Porthos e Aramis e juntos os quatro enfrentam grande batalhas a serviço do Rei França, Luís XIII e da Rainha Ana de Áustria.

Resumida a história, nesse momento você deve está se perguntando de que forma isso se encaixará na coluna de hoje. Pois bem, o texto fará uma alusão às atuações, na partida de ontem contra o México, de quatro membros da Seleção Brasileira que está na Rússia representando nosso país na disputa da Copa do Mundo. São eles, o comandante Tite, o capitão Thiago Silva, o craque Neymar e o foguetinho Willian.

Veja Também: Gonçalo Luiz: Personagens da Copa – O Foguetinho Willian

Como D’artagnan, Tite é um jovem dentro da Seleção Brasileira (está no comando da equipe há pouco menos de dois anos) e junto de mosqueteiros inseparáveis busca se tornar parte de um seleto grupo do futebol: O de campeões mundiais. Neymar e Willian sempre foram dois dos preferidos do técnico desde que chegou ao comando, enquanto Thiago, apesar de só ter reconquistado a vaga de titular pouco antes do início da competição, nuca chegou a ser um dos preteridos.

A lesão três meses antes da Copa do Mundo parecia tirar o brilho dos olhos de Neymar e nos remetia ao choro de 2014 quando precisou dar adeus precocemente ao Mundial por conta do trauma sofrido na coluna. Mas, desde o jogo contra a Sérvia o craque vem demonstrando dentro de campo toda sua vontade de conquistar esse título e colocar seu nome na história do futebol brasileiro junto com o de seu treinador. A cada partida se torna mais coletivo, tem atuações melhores e seu crescimento e amadurecimento gradativo dentro da competição vem enchendo o povo brasileiro de esperança. (exceto os perseguidores de Ney)

Massacrado pelo choro antes das cobranças de pênaltis no duelo contra o Chile nas oitavas de final da Copa do Brasil e talvez um dos mais criticados no fatídico 7 a 1, mesmo sem nem estar em campo, Thiago Silva parece ter conquistado de vez a confiança de Tite, deve ser o capitão do Brasil até o fim da competição (por que faz por merecer) e suas atuações perfeitas até aqui estão ofuscando até mesmo aquele que era considerado o melhor zagueiro brasileiro por muitos, Miranda. Que se não faz um torneio ruim, também não vem comprometendo.

Daqueles jogadores que Tite não abre mão, Willian chegou a ter sua vaga entre os 11 titulares ameaçada com a atuação de Douglas Costa no segundo tempo contra a Costa Rica. Todavia, a contusão do camisa 7 garantiu a permanência do “Foguetinho” (como é carinhosamente chamado pelo treinador) por mais tempo na equipe, mesmo que com atuações abaixo da média. Depois de dizer em entrevista coletiva que seu rendimento precisava melhorar, Willian renasceu contra o México após mudança tática de Tite e junto de Neymar comandou a classificação brasileira às quartas de final e mostrou para todos, inclusive o treinador, que o voto de confiança não foi em vão.

É dessa forma que os três mosqueteiros de Tite tem tudo para se tornarem o pilar dessa boa campanha do Brasil na Copa do Mundo da Rússia, depois de um início onde Philippe Coutinho e Casemiro (fora da partida contra a Bélgica) ditaram o ritmo da equipe. Portanto, espera-se que como o filme, na volta ao acampamento os mosqueteiros possam ser acolhidos como heróis após a conquista do Hexa (dedinho cruzado).

Para isso .. só faltam três!

SOBRE A BÉLGICA

Avisei na coluna anterior que apesar de terem feito a melhor campanha da primeira fase, as goleadas contra Panamá e Tunísia não podiam ser levadas como parâmetro para a Bélgica. Pois bem, dito e feito. A defesa que levou dois gols da seleção tunisiana, voltou a sofrer nesta Copa do Mundo, levou um susto da poderosíssima seleção do Japão e só conseguiu a virada num gol espírita já nos acréscimos. Fiquem de olho, por que se eles derem esse mole para o Brasil passaremos o carro neles e a talentosa geração belga continuará sendo apenas a talentosa geração belga .

Pra dentro deles, Brasil! Abraços e até sábado.