Leonardo Santos: Caminhos do Hexa – Respeitem as cinco estrelas

Seleção brasileira cresceu na hora certa e como sugere o nome da coluna, entrou no caminho do hexa | Lucas Figueiredo (CBF)

Uruguai, Portugal, França e Argentina. Estamos passando só para avisar que chegamos, hein! Mas, antes de qualquer coisa eu vos digo queridos leitores: Eu também estava nervoso. O nível estresse era tanto que tive pesadelos com a bola área sérvia e de tanto que o noticiário falou da diferença de estatura entre as duas seleções (10 cm) nos últimos dias, sonhei que um gol de cabeça de Mitrovic nos eliminava da Copa da Rússia. Aí, graças a Deus eu caí da cama, acordei, ganhamos da Sérvia e afirmo, garantimos a classificação ainda na execução do hino nacional brasileiro.

Por que diferentemente de 2014 quando aquele momento era de extrema pressão e por muitas vezes parecia forçado, ontem foi tão natural que árbitro, auxiliares e o time sérvio quebraram o protocolo para respeitar os jogadores brasileiros e a torcida presente no estádio a partir do momento que o hino começou a ser cantado em conjunto, a capela. E ver o leve sorriso estampado no rosto de Neymar ao fim daquele momento só me deu a certeza da vitória.

Dentro de campo os 11 titulares, os mesmos dos dois outros jogos, passavam o seguinte recado de Tite para imprensa, que especulou inúmeras mudanças na equipe desde a última sexta-feira (22): “Eu confio neles e vamos juntos até o fim”. Por incrível que pareça, ou não, já que esse é o papel do comandante, isso caiu como uma luva em uma seleção brasileira que na hora H, uma vez que o jogo tinha um cenário extremamente decisivo, teve sua melhor atuação coletiva até aqui.

Somos todos sabedores de que o time ainda pode apresentar futebol melhor e que necessita de alguns ajustes, por que em todos os três jogos da primeira fase (Suíça, Costa Rica e Sérvia) o Brasil sofreu em determinados momentos das partidas, mas nem de longe precisamos passar pelo drama argentino ou o sufoco português e espanhol para chegar as oitavas de final.

E é exatamente por isso que o tema escolhido para esta coluna de hoje foi: “Respeitem as cinco estrelas”. E vocês sabem o por quê? Por que a derrota e eliminação alemã horas antes do jogo do Brasil e a vitória segura contra a Sérvia que veio seguida do primeiro lugar no Grupo E a classificação à próxima fase deixou o sentimento de que finalmente o fantasma do 7 a 1 estava sendo exorcizado. Eu sei que só uma vitória por 7 a 1 contra a Alemanha, em uma semifinal de Copa do Mundo, na casa deles, vai vingar isso. Mas já que dizem que eles vão pagar isso da forma que o brasileiro mais gosta, parceladamente, hoje quitamos uma parte.

Numa Copa do Mundo tão maluca quanto essa, não sofrer para se classificar como grandes seleções precisaram sofrer, ter a segunda melhor defesa e um ataque que se não é dos melhores, pode ser considerado eficiente (cinco gols em três jogos), nosso futebol – ainda – só está abaixo do que foi demonstrado até aqui por Bélgica e Inglaterra, mas vale ressaltar que Panamá e Tunísia não são parâmetros para medir a performance de ninguém.

Portanto, respeite quem pode chegar onde a gente chegou E SEM SACRIFÍCIOS … Faltam quatro!

Obs: Perceberam que hoje nem precisei falar do menino Neymar e pedir para vocês deixarem ele em paz? Pois então, sigam assim. Ele vai decidir na hora certa!

Que venha o México. Abraços e até terça-feira.