Lincoln marca no último minuto e Flamengo empata com Grêmio em 1 a 1

Jovem de 17 anos, Lincoln marcou no último lance o gol de empate do Flamengo (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

Em noite de Vitinho, é outro o nome que vai ficar na cabeça de rubro-negros e gremistas: Lincoln. O garoto de 17 anos saiu do banco no segundo tempo e, no último lance do jogo, modificou a história do confronto decisivo por uma vaga nas semifinais da Copa do Brasil. O Grêmio vencia por 1 a 0 desde os 40 do primeiro tempo, gol de Luan. Mas o toque final do jovem centroavante do Flamengo empatou o duelo e jogou um balde de puro gelo no torcedor tricolor presente à Arena do Grêmio na noite desta quarta (1º).

O empate por 1 a 1 deixa tudo em aberto para a partida de volta, daqui a duas semanas, no Maracanã. Quem vencer garante o lugar na fase semifinal do mais importante mata-mata do futebol brasileiro. Nova igualdade por qualquer placar, nesta Copa do Brasil que não tem mais gol qualificado fora de casa, leva a decisão para os pênaltis.

GRÊMIO ENSAIA PRESSÃO, MAS FLAMENGO CONSEGUE MANTER DUELO EQUILIBRADO

Grande novidade do Flamengo, Vitinho começou o duelo decisivo no banco de reservas. E, enquanto mal havia começado a sentir o tremor nas pernas e o frio na barriga característicos daquele que está prestes a viver a adrenalina da estreia com uma das mais pesadas camisas do futebol brasileiro, assistiu sentado à primeira finalização do jogo, com menos de 20 segundos. Luan teve espaço e bateu de longe para a defesa de Diego Alves, confirmando a expectativa de que os donos da casa tentariam, em seus domínios, comandar o confronto desde os primeiros movimentos. Mas a supremacia não foi tamanha que assustasse os rubro-negros. Diego Alves não voltou a trabalhar tão cedo. Ao contrário de Marcelo Grohe, que teve que voar no canto esquerdo para espalmar finalização de Uribe, aos 10 minutos.

A verdade é que a pressão inicial gremista não afetou o estilo de jogo do Flamengo e tampouco desequilibrou o primeiro tempo de partida. Apesar de sempre haver tricolores aos cangotes, os flamenguistas conseguiam trocar alguns passes no meio de campo, fazendo evoluir as jogadas ofensivas, especialmente quando a bola chegava aos pés de Éverton Ribeiro pela direita ou de Marlos Moreno, pelo lado oposto. Além disso, ainda tinha o contra-ataque a seu dispor contra um Grêmio que tinha mais posse. Em uma dessas, Cuéllar roubou de Maicon já na intermediária de ataque e tabelou com Uribe, antes de finalizar mal.

Em alta intensidade, a partida alternava bons momentos de uma e de outra equipe. Restando menos de 20 minutos para o intervalo, Maicon teve espaço e tentou de longa distância, mas acertou as placas de publicidade. Na sequência, o Fla criou bom lance e a zaga gaúcha teve de interceptar a conclusão de Éverton Ribeiro. Cícero respondeu em mais um chute de longe, que saiu por sobre o travessão. Então veio novamente o turno rubro-negro: Rodinei driblou Marcelo Oliveira e arriscou um chute improvável de perna canhota. Kanemann desviou, tornando espetacular a defesa, que já seria difícil, de Marcelo Grohe. O escanteio para o Flamengo, porém, virou contragolpe gremista e, como o que é bom se repete, Cícero voltou a atirar a léguas de distância da meta rival, mas colocou Diego Alves para trabalhar. Luan quebrou a lógica, mas não levou perigo na segunda finalização seguida do Imortal pouco antes de Cuéllar emendar, de prima, uma bola a princípio cortada pela zaga do Grêmio. Marcelo Grohe defendeu e encerrou aqueles 10 minutos flamejantes.

CAMPEÃO DA AMÉRICA SURGE E GRÊMIO SAI NA FRENTE

Só que, perto dos 40 minutos, apareceu em estado de graça o Campeão da América. Maicon percebeu o espaço e lançou Léo Moura na ponta direita. Sem se intimidar diante das cores que por tanto tempo defendeu, o experiente lateral deixou Marlos Moreno na saudade e partiu para cima de Renê não para mais um drible, mas para o um-dois com Ramiro. Na linha de fundo, a lucidez que os cabelos brancos lhe trouxeram conforme foram surgindo ao longo desses quase 18 anos de carreira. Dentro da área, todas as opções de um time ofensivo e montado por Renato Gaúcho para agredir o adversário. Havia Everton e André, apenas chamarizes à marcação rubro-negra, pois foi Luan quem surgiu livre para receber o cruzamento rasteiro e colocar, de primeira, no cantinho de Diego Alves: 1 a 0, saudações ao técnico Tite, presente à Arena, que não levou o atacante para a Copa da Rússia e Grêmio em vantagem ao término do primeiro quarto do duelo.

Mesmo com 20 minutos (os cinco finais da primeira etapa e mais os 15 do intervalo) para absorver o golpe, o Flamengo não conseguia equilibrar o jogo contra os donos da casa como fizera nos 40 minutos iniciais. Assim, ainda que sem conseguir chutar ao gol, o Grêmio foi dono absoluto do jogo até os 15 da etapa final, com destaque para a matada no peito espetacular de Luan após reposição de Marcelo Grohe seguida de um lindo chapéu aplicado por André.

VITINHO ESTREIA E FLAMENGO MELHORA

Observando tudo aquilo com serenidade, Maurício Barbieri teve a única reação possível diante da quase apatia demonstrada pelo Flamengo após o intervalo: colocou Vitinho em campo, no lugar de Marlos Moreno. E, mesmo praticamente sem tocar na bola, o estreante melhorou o time de imediato, a ponto de Diego ter grande oportunidade na área rival. Mas o chute de canhota acabou encaixado por Grohe. Em seguida, Paquetá arriscou, mas mandou por cima.

Quando, já livre da sudorese e das mãos gélidas, contagiado pela adrenalina, Vitinho passou a participar efetivamente das jogadas, deu mais dinâmica e velocidade ao lado esquerdo do ataque do Flamengo. Primeiro, sofreu falta na entrada da área: Diego cobrou e a barreira tricolor desviou. Depois, foi responsável por esgotar fisicamente o lateral Léo Moura, que teve de ser substituído pelo xará Leonardo Gomes. Já na marca dos 28 tentou tabela na área com Uribe, mas, amassado em meio a dois marcadores, não conseguiu ter a bola para concluir. E logo em seguida, tentou resolver na individualidade. Meio aos trancos e barrancos,  até alcançou a grande área antes de ser finalmente desarmado. Assim, o debutante rubro-negro melhorou o desempenho do time, mas ainda sem fazê-lo ficar, realmente, perto do gol de empate.

PRESSÃO RUBRO-NEGRA DÁ RESULTADO NO ÚLTIMO LANCE

De todo modo, o jogo chegou à sua reta final com pressão carioca. Em noite pouco inspirada, Uribe foi substituído pelo jovem Lincoln. Com dificuldades de criar espaços que possibilitassem finalizações claras, o Rubro-Negro partiu para o chuveirinho, mas os cruzamentos invariavelmente paravam em testas tricolores. Só a habilidade de Paquetá foi capaz de esfarelar a fortaleza gaúcha. O camisa 11 tabelou com Diego e se livrou de dois adversários antes de bater cruzado. Marcelo Grohe, entretanto, estava lá para impedir a igualdade. Mas a jogada do garoto do ninho foi suficiente,  ao menos, para evitar a entrada de Geuvânio em seu lugar.

Sufocado no campo de defesa, o Grêmio tentava se desvencilhar da avalanche em vermelho e preto, mas, quanto mais cavava para sair, mais se enterrava sob a pressão rubro-negra. Cuéllar fez jogada espetacular pela ponta canhota e colocou na cabeça de Diego, que desperdiçou chance incrível. No último lance do jogo, porém, a corda gremista roeu frente aos mais de 20 minutos de abafa do Fla. Renê tabelou com Éverton Ribeiro e ganhou a linha de fundo. Sempre criticado pela torcida flamenguista por sua baixa produção ofensiva, o lateral teve frieza para erguer a cabeça em meio à velocidade do lance e ao cansaço de 95 minutos de futebol nas pernas. O toque para trás foi na medida certa para o atropelo do garoto Lincoln. Tanque de só 17 anos, passou por cima de Geromel e Kanemann para sair frente à frente com o muro Grohe e derrubá-lo com só um toque firme na bola. Tudo igual ao final do primeiro confronto: 1 a 1.

Tricolores e Rubro-Negros voltam a se enfrentar daqui a duas semanas, no dia 15, no Maracanã, para decidir de vez quem fica com a vaga nas semifinais da Copa do Brasil. Antes, porém, as duas equipes se encontram, novamente, pelo Campeonato Brasileiro. A partida válida pela 17ª rodada da competição acontece na mesma Arena do Grêmio, neste sábado, às 19 horas.

Grêmio 1 x 1 Flamengo

Local: Arena do Grêmio (Porto Alegre – RS)

Árbitro: Raphael Claus (Fifa/SP).

Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho (Fifa/SP) e Marcelo Carvalho Van Gasse (Fifa/SP).

Árbitro de Vídeo: Rafael Traci (CBF/PR), com Alex Ang Ribeiro (CBF/SP) e Luiz Flávio de Oliveira (CBF/SP).

Grêmio: Marcelo Grohe, Leonardo Moura (Leonardo Gomes), Geromel, Kanemann e Marcelo Oliveira; Maicon e Cícero; Ramiro, Luan e Everton (Marinho); André (Jael). Técnico: Renato Portaluppi.

Flamengo: Diego Alves, Rodinei, Léo Duarte, Réver e Renê; Cuéllar; Everton Ribeiro, Diego, Lucas Paquetá e Marlos Moreno (Vitinho); Uribe (Lincoln). Técnico: Maurício Barbieri.

Gols: Luan (GRE – 39’/1T); Lincoln (FLA – 49’/2T).

Cartões Amarelos: Lincoln (FLA).

Cartões Vermelhos: Não houve.

Público: 37.358 pagantes; 40.075 presentes.