Jiu Jitsu: O Fenômeno chamado Nicholas Meregali

O ano de 2017 foi praticamente perfeito para o gaúcho Nicholas Meregali. O atleta que recebeu a faixa preta em dezembro de 2016 após colecionar todos os títulos possíveis nas faixas marrom e roxa, conquistou a 22° edição do maior torneio de Jiu Jitsu do mundo vencendo na final um dos maiores lutadores de todos os tempos, o paulista Leandro Lo.

O atleta da Alliance é aluno do mestre Mario Reis e iniciou sua caminhada na arte suave aos 16 anos incentivado pelo irmão, que na época treinava com o professor Jeferson Adam, aluno de Mario Reis.  

– Eu iniciei aos 16 anos na academia do professor Jeferson Adam em novembro de 2009, comecei a treinar por conta do meu irmão, ele havia começado a treinar em janeiro de 2009. Ele chegava em casa após os treinos e ficava me mostrando as posições que aprendia na aula e isso foi despertando a minha vontade e curiosidade em treinar. – revela

Em sua caminhada até a faixa preta, Nicholas permaneceu por 4 anos em sua cidade natal Santo Antonio/RS, onde conquistou muitos títulos nas faixas branca e azul e começou a chamar atenção dos apaixonados pela arte suave.

– Eu fiquei 4 anos na academia do professor Jeferson Adam, que é faixa preta grau 2 do mestre Mario Reis. Conquistei bons títulos morando em Santo Antonio, tais como o título brasileiro, mundial em Abu-Dhabi e o 3° lugar no absoluto no mundial da Califórnia. Eu tenho um amor muito grande pela cidade, sempre que posso retorno para matar a saudade. – conta Nicholas

A mudança para Porto Alegre veio após a conquista do mundial, com um convite do mestre Mario Reis. Porém, por não ter condições financeiras, o atleta precisou recusar o convite no início, até ser convencido a morar na própria academia onde iria treinar.

– Em setembro de 2013 eu fui morar na academia, logo após o mundial da Califórnia o mestre Mario me convidou para morar em Porto Alegre, mas minha família não tinha condições de me suprir e eu precisei declinar o convite. Passaram uns três meses e o Mestre Mario me falou que um guri iria morar na academia e se eu não queria morar também. Aceitei o convite e já me mudei no dia seguinte, estou morando lá a mais de 4 anos, desde setembro de 2013. Posso afirmar que é o ambiente mais iluminado e diferente que eu já presenciei na minha vida.- afirma

Foi ai que Nicholas decolou de vez. Conquistando a faixa roxa em janeiro de 2014, já em seu primeiro ano, o atleta gaúcho ganhou todas as competições que disputou, o mesmo se repetiu no ano seguinte, em 2015 o pupilo de Mario Reis continuou a reinar na roxa. Nicholas iniciou o ano de 2016 como faixa marrom e mais uma vez foi dominante em todas as competições, recebendo em dezembro de 2016 a faixa preta de Jiu Jitsu.

– Ganhei minha faixa roxa em janeiro de 2014, onde logo no primeiro ano conquistei todas as competições que disputei, o mesmo aconteceu em 2015. Em 2016 fui campeão em todos os eventos de faixa marrom e recebi a faixa preta em dezembro de 2016. – detalha o atleta da Alliance

O ano de 2017 marcou o início do fenômeno como faixa preta de Jiu Jitsu, o primeiro desafio foi em fevereiro, em sua primeira seletiva como faixa preta veio a vitória do jovem atleta. Com o triunfo, Nicholas se credenciou para disputar o panamericano e encarou de frente, em duas oportunidades no peso absoluto, o faixa preta Leandro Lo, mas acabou amargando duas derrotas seguidas na mesma competição. Apesar das 2 derrota para Lo, Nicholas ficou em 3° lugar o que lhe rendeu uma ótima colocação no 1° grande evento como faixa preta.

A revanche contra Leandro Lo veio no primeiro mundial de Nicholas como faixa preta, com muitas feras no tatame, tais como Lucas Leite, Matheus Diniz, Tanner Rice e é claro, o algoz do panamericano Leandro Lo. Logo no primeiro combate encarou e venceu Helton Junior, e em seguida finalizou de maneira espetacular o campeão mundial Lucas Leite, se credenciando para a grande final contra Leandro Lo, quase um roteiro de cinema. Em uma luta muito técnica, o fenômeno gaúcho levou a melhor sobre Leandro Lo com uma raspagem espetacular. Após pontuar, Nicholas conseguiu segurar o ímpeto do adversário e sagrou-se campeão peso-pesado em seu primeiro mundial da IBJJF como faixa preta.

– Conquistar o mundial foi além de tudo uma superação para mim, eu já havia enfrentado o Leandro Lo em outras 3 oportunidades, Copa Pódio e no Panamericano, e havia perdido as 3 lutas. Preparar a minha mente para espantar este retrospecto negativo foi minha maior batalha, e felizmente consegui reverter este sentimento e entrei na final com bons sentimentos e bastante concentrado. Percebi que eu não deveria agradar ninguém e sim me auto conhecer.- relembra

Do menino hiperativo do interior do Rio Grande do Sul ao jovem que conquistou e chocou o mundo superando gigantes, o fenômeno Nicholas Meregali tem a seu favor um lado espiritual muito aguçado, uma filosofia de vida que adotou após conviver com o mestre Mario Reis na academia Alliance.

– Eu sou um cara perfeccionista ao extremo, sempre me cobro demais e ter buscado esse lado espiritual que o Mario me mostrou, me ajudou a ter mais paz interior e viver em harmonia. Ele me ensinou que eu deveria harmonizar meus sentimentos com minhas práticas diárias, para poder ser uma pessoa melhor e consequentemente um atleta melhor. Sem esses ensinamentos eu não seria o campeão que sou hoje e também uma pessoa melhor. – conta

O primeiro faixa preta campeão mundial do mestre Mario Reis mantém a vida simples de antes, mesmo com os holofotes voltados para a sua maior conquista(mundial da IBJJF) e para a personalidade forte do jovem gaúcho. Nicholas continua frequentando os mesmos lugares, consciente de que um título desta magnitude traz também muitas coisas ruins, tais como a bajulação e aproveitadores. Porém, o jovem campeão prefere se manter próximo daqueles que sempre o ajudaram a se manter espiritualmente equilibrado. Este ano de 2018 promete ser especial para o fenômeno da arte suave, que segue seu caminho buscando apenas transmitir boas energias por onde passa.