Saiba em quem ficar de olho nos duelos das quartas de final da Copa do Mundo

Neymar é o grande nome da Seleção Brasileira. Confira quem são os astros das demais classificadas para as quartas de final (Foto: Getty Images)

Vinte dias depois, a Copa do Mundo da Rússia chega à fase de quartas de final. Apenas oito seleções seguem no caminho em busca do sonho de levantar a taça. Quatro tentam repetir o feito. Quatro tentam conquistar a máxima glória do futebol pela primeira vez. Mas isso é história. E os 184 jogadores que seguem na disputa do Mundial querem escrever seu nome nela. Entre os atletas, não há nenhum que já tenha no currículo o título de uma Copa do Mundo. E uns têm se destacado mais que outros no torneio até aqui. Por isso, a Live Esporte aproveita a pausa nos jogos e traz uma análise que coloca frente a frente os grandes nomes das seleções que se enfrentam, a partir desta sexta-feira (6), pelas quatro vagas nas semifinais da Copa.

E aí? Quem você escolhe no par ou ímpar?

Suárez x Mbappé

Uruguai x França

Sexta, 06/07, às 11h

Estádio de Nizhny Novgorod

A Copa do Mundo e o desempenho diante de Portugal nas oitavas indicariam Cavani como principal destaque do Uruguai na competição até aqui. Mas a lesão na panturrilha no segundo tempo do jogo contra os lusos tornou improvável a participação do autor dos gols da classificação charrúa no duelo desta sexta (6) contra  França. Mas, tudo bem. Edi será bem representado por outro uruguaio de Salto nascido em 1987. Luís Suárez é o maior artilheiro da história da Celeste Olímpica: são 53 gols marcados em jogos oficiais com seleção, dois nesta Copa do Mundo. E com motivação para fazer mais, depois de ter sido suspenso da fase decisiva da Copa de 2014, no Brasil, em virtude da dentada em Chiellini. Por isso, ainda que sozinho e isolado, é bom ficar de olho em Suárez: com categoria e a raça de sempre, ele com certeza vai dar trabalho aos defensores franceses.

Talvez, não mais que Mbappé dará a Godin e Jiménez. O jovem de só 19 anos já mostrou do que é capaz nas oitavas contra a Argentina. As arrancadas do atacante do PSG deixaram os zagueiros hermanos loucos e o mundo perplexo pela velocidade (o jogador atingiu 34 km/h em uma delas) e pela eficiência. Afinal, de lances em velocidade, Mbappé arrumou um pênalti, uma falta na entrada da área e ainda fez um gol. No outro tento marcado, que ajudou a levar a França às quartas, foi a habilidade para esfarelar a defesa argentina que chamou atenção. Com isso, o candidato francês a sensação da Copa chamou para si os holofotes em um estrelado ataque que ainda tem Griezmann e Giroud, além do apoio de Pogba e Matuidi. Um teste e tanto para a forte retaguarda uruguaia.

Neymar x Hazard

Brasil x Bélgica

Sexta, 06/07, às 15h

Arena Kazan

Neymar dispensa apresentações. Um dos três melhores jogadores do mundo no último ano, o brasileiro do Paris Saint-Germain, no entanto, chegou à Copa sob olhares de desconfiança. A rápida recuperação de cirurgia no pé direito punha dúvidas sobre as condições físicas do craque e a fraca atuação diante da Suíça na estreia deixou apreensivos os torcedores brasileiros. Mas o gol já nos instantes finais da partida contra a Costa Rica e o choro de alívio e emoção no meio do campo após o apito final trouxeram Menino Ney em definitivo para a Copa do Mundo. De lá para cá, foram duas grandes atuações contra Sérvia – com passe para o gol de Thiago Silva – e México, quando abriu os caminhos para vitória com seu gol e ainda serviu Firmino para selar a classificação. De volta ao melhor nível, faz tremer os adversários e ainda conta com o auxílio luxuoso de Philippe Coutinho e Willian na criação de jogadas brasileira.

De camisa 10 para camisa 10, Hazard vem sendo o nome mais regular da talentosa geração belga na Rússia. É, por exemplo, quem mais atuou entre os selecionados pelo treinador Roberto Martínez. O espanhol, por sinal, deu senso de coletividade a um time que conta com astros do futebol internacional e parece extrair o melhor de uma seleção que tem futebol mas ainda carece de resultados. Para isso, conta com Hazard, que já fez dois gols nesse Mundial e foi escolhido o melhor em campo na épica virada sobre o Japão nas oitavas, mesmo quando De Bruyne não apareceu e o artilheiro Lukaku não demonstrou a eficiência de sempre. Habilidoso, veloz e com muita movimentação, Hazard é o azeite da máquina belga, o improviso em um time extremamente entrosado que tenta retornar às semifinais de uma Copa do Mundo.

Forsberg x Harry Kane

Suécia x Inglaterra

Sábado, 07/07, às 11h

Arena Samara

Não é fácil escolher um destaque da campanha sueca no Mundial até aqui. Sem Ibrahimovic, que não participou da campanha das eliminatórias e acabou não convocado por Janne Andersson para a disputa da Copa, os escandinavos se notabilizaram por um futebol solidário e de muita marcação na campanha até aqui. Mas, dentro da obediência tática característica, um jogador é quem faz o time girar, reter a bola e aciona os fortes atacantes e os velozes laterais suecos. Não à toa, é o camisa 10 do time. Trata-se de Emil Forsberg. O meia de 26 anos parece ser o único capaz de um toque diferente na seleção da Suécia. E, efetivamente, foi ele o ponto diferencial na vitória contra a Suíça, que garantiu a vaga nas quartas de final para a equipe europeia após 24 anos. Foi dele o gol marcado, com ajuda do zagueiro suíço, aos 21 minutos do segundo tempo. Não obstante, ainda ajudou na defesa, tirando, quase em cima da linha, uma cabeçada do time suíço.

Nem de longe, no entanto, Forsberg tem o protagonismo em sua seleção que possui Harry Kane no English Team. O atacante do Tottenham é a principal referência técnica da equipe dirigida por Gareth Southgate, de quem ganhou a braçadeira de capitão. Também, pudera: depois dos 41 gols marcados em 48 partidas pelo Tottenham na última temporada, Kane é a grande esperança inglesa em repetir o feito de 1966, quando ganhou o título em casa. E o Furacão chegou quente na Rússia: já são seis gols em apenas três jogos disputados (foi poupado na partida contra a Bélgica), que lhe dão, provisoriamente, a artilharia isolada do Mundial. Mas nem só de gols é feito o camisa 9 inglês. Quando a coisa apertou no duelo contra a Colômbia, pelas quartas de final, Kane recuou para ajudar a articular as jogadas desde o meio-campo. E se o jogo deste sábado (7), contra a Suécia, tiver de ser decidido nos pênaltis, o goleador já mostrou que é letal. Nas quatro cobranças que realizou na Copa até aqui (incluindo a da disputa contra a Colômbia), converteu todas.

Akinfeev x Modric

Rússia x Croácia

Sábado, 07/07, às 15h

Estádio Olímpico de Sochi

Em termos ofensivos, o time da casa tem lá seus valores. O jovem Golovin é a força motriz do meio-campo e Denys Cherishev é o artilheiro da equipe na Copa com três gols. Apesar disso, o jogador do Sevilla-ESP foi deixado no banco para o duelo mais importante da equipe no torneio: o jogo de oitavas de final contra a Espanha. Tudo pela estratégia de tentar um empate com os campeões de 2010 e que deve ser mantida para o duelo contra a Croácia, no próximo sábado (7). Por isso, quando for ficar de olho em alguém da Rússia, olhe lá para trás. O primeiro jogador da escalação é o herói que você procura. Depois de cometer falhas que tiraram qualquer chance de classificação russa na primeira fase de 2014, o goleiro Igor Akinfeev vive uma Copa de redenção. Aos 32 anos, o jogador do CSKA Moscou vem fazendo ótimo Mundial. Seguro nos momentos de dificuldade e capitão do time, o arqueiro se destacou de vez na competição ao defender os pênaltis de Koke e Iago Aspas e levar a Rússia ao seu melhor resultado em Copas desde o fim da União Soviética.

Mas terá pela frente Luka Modric. O camisa 10 do Real Madrid e da seleção da Croácia é um dos melhores jogadores da Copa até aqui. Líder de um time que fez grande primeira fase mas só passou pela Dinamarca nos pênaltis, Modric terá papel fundamental na missão de perfurar a retranca russa caso queira levar os croatas de novo às semifinais, o que não acontece desde a estreia do país em mundiais, em 1998. Isso não deve ser problema, porém, para um meia que gosta de deixar os companheiros na cara do gol. E ele tem ao seu lado jogadores como Rakitic, Perisic e Mandzukic no setor ofensivo de sua seleção. Mas, além de servir, Modric gosta também de finalizar as jogadas. Já são dois gols marcados na Copa pelo croata.

 

  • Crédito das imagens: Fifa.com/Getty Images.