São Cristóvão não se encontrou em campo nesta temporada e foi rebaixado para a terceira divisão pela segunda vez | Úrsula Nery/Agência Ferj

São Cristóvão elege novo presidente para o próximo biênio

Na temporada que marca o seu segundo rebaixamento para a terceira divisão do futebol carioca, rebatizada esse ano de Série B2, o São Cristóvão de Futebol e Regatas elegeu nesta quinta-feira um novo presidente para o biênio 2018/2019. Anderson Souza, da chapa rosa, teve 45 votos, contra cinco de Celso Luiz Roberto, que concorria pela chapa branca.

O resultado é revelador sobre a correlação de forças do clube. Embora seja nacionalmente conhecido pelo futebol, seja um dos únicos oito clubes a terem conquistado uma edição de Campeonato Carioca, em 1926, e por ter revelado Ronaldo Fenômeno, cujo nome batiza o estádio da Rua Figueira de Melo, o mais antigo do estado, politicamente, há décadas o clube é controlado por lideranças da sede náutica, localizada na Avenida Brigadeiro Trompowiski, na Maré.

Historicamente, as lideranças da sede náutica utilizam as dependências do São Cristóvão como um clube de bairro comum, torcem por outros times e não se identificam com o departamento de futebol, interpretado por boa parte do quadro social local como uma fonte permanente de despesas.

Durante o ano, o São Cristóvão denunciou o aliciamento de jogadores por parte de integrantes de uma máfia de apostadores para entregar jogos. O fato promoveu mudanças na equipe, registro de boletim de ocorrência e um recurso ao Tribunal de Justiça Desportiva do Rio de Janeiro, para tentar evitar que o clube acabasse rebaixado, o que não deu certo.

O início do Campeonato Carioca da Série B2 de 2018 está previsto para maio. A nova diretoria terá um mês para cicatrizar as feridas entre a sede náutica e o futebol: a posse de Anderson Souza está prevista para a primeira quinzena de janeiro. Ele substituirá Emmanoel França, que completará o segundo biênio no cargo.