Sob olhares de Putin, Rússia abre a Copa com goleada sobre a Arábia

Cheryshev marcou dois gols na goleada russa sobre a Arábia Saudita na abertura da Copa do Mundo | Getty Images

Alguém pode defender que não há hora errada para vencer, mas a Rússia parece ter escolhido o mais certo dos momentos. Sem vitórias desde outubro (sete jogos), os donos da casa não economizaram: golearam a Arábia Saudita por 5 a 0 e se reencontraram com os triunfos, justamente, na abertura da Copa do Mundo, em Moscou. Gazinsky, Cheryshev (2), Dzyuba e Golovin marcaram os gols.

Nervoso como deve ser um primeiro jogo de Copa, o duelo começou com muitos erros de passes. Mas, após os primeiros dez minutos, o público já atendia ao pedido em forma de canção feito pelo cantor Robbie Williams na cerimônia de abertura e se deixava entreter por russos e sauditas. Mesmo com mais posse bola, os árabes não conseguiam se impor sobre os anfitriões e, numa bola aérea, aos 12 minutos, deixaram evidente sua fragilidade defensiva. Golovin cruzou e Gazinsky usou seus 1,80m para fazer história com o primeiro gol do Mundial. Ele subiu absoluto e cabeceou sem chances para o goleiro Abdullah: 1 a 0, para cumprimentos entre o presidente da Rússia, Vladimir Putin e o príncipe herdeiro do trono saudita, Mohammed bin Salman.

A festa tomou conta das arquibancadas e, quando o medo de a vodka acabar já tomava conta dos comerciantes locais, Dzagoev caiu. Um dos pilares do time, com 57 convocações para a seleção, o meia-atacante do CSKA sentiu o posterior da coxa em uma puxada de contragolpe e foi substituído aos 24. A entrada de Cheryshev, no entanto, acabaria trazendo muito mais motivos para celebração do que para sofrimento. Após jogada em velocidade de Golovin, Zobnin recebeu e entregou para Cheryshev. Canhotinho, o meia deixou dois zagueiros sentados com um só drible e bateu firme para ampliar aos 42.

Passada a ansiedade dos primeiros 45 minutos, a Arábia Saudita tentou acordar. E chegou a finalizar com perigo, cruzado, mas Taisser chegou atrasado e não conseguiu completar. O castigo pela chance desperdiçada veio aos 26 minutos. Em mais um cruzamento de Golovin, foi a vez de Dzyuba vencer a marcação de Osama, enfiar a cabeça na bola e, menos de dois minutos depois de entrar em campo, marcar o terceiro gol russo.

Altura, os torcedores presentes ao Estádio de Luzhniki já se entreolhavam assustados, pensando no pássaro de fogo que pousara no gramado durante a cerimônia de abertura. Reza a lenda que um simples toque em suas penas é o bastante para realizar o maior dos sonhos. Os 3 a 0 já eram mais do que os russos, certamente, esperavam da estreia após sete jogos sem vencer. Mas, já nos acréscimos, Cheryshev voltou a aprontar com sua perna canhota: do bico da área, colocou de trivela no ângulo de Abdullah. No último lance, Golovin ainda cobrou falta com perfeição, levando ao êxtase as arquibancadas onde o ursinho Misha chorou quase 38 anos atrás no encerramento das Olimpíadas de Moscou, em 1980.

A Arábia Saudita espera, agora, até o dia 20 para voltar a campo, contra o Uruguai, em busca de sua primeira vitória em Copas desde 1994. Um dia antes, os anfitriões recebem o Egito, em São Petersburgo, em duelo que pode ser decisivo para classificação às oitavas de final do Mundial. E depois do pássaro de fogo no gramado e da goleada na estreia, quem será capaz de duvidar do sonho russo?

Rússia 5×0 Arábia Saudita

Local: Estádio Lujniki, Moscou (RUS)

Árbitro: Néstor Pitana (Fifa/ARG)

Auxiliares: Herman Maidana (Fifa/ARG) e Juan Pablo Belatti (Fifa/ARG)

Rússia: Afinfeev; Mário Fernandes, Kutepov, Ignashevich e Zhirkov; Gazinsky, Zobnin , Samedov (Kuziaev), Dragoev (Cheryshev) e Golovin; Smolov (Dzyuba) . Técnico: Stanislav Cherchesov.

Arábia Saudita: Al-Muaiouf; Al-Burayk (Al-Muwallad), Osama Hawsawi, Omar Hawasawi e Al-Shahrani; Al-Faraj, Ateef, Al-Jassim, Al-Dawsari e Al-Shehri (Bahbri) – ; Al-Sahlawi (Asiri)  Técnico: Juan Antonio Pizzi.

Gols: Gazinsky, aos 11’/1º T (1-0), Cheryshev, aos 40’/1ºT (2-0), Dzyuba, aos 25’/2ºT (3-0), Cheryshev, aos 45’/2ºT (4-0) e Golovin, aos 49’/2ºT

Cartões amarelos:  Golovin (Rússia) e Al-Jassim (Arábia)

Cartões vermelhos: Não houve

Público: 78.011 presentes