Wallace Lopes: De carpinteiro a revelação do MMA nacional 2017

Foto: Cassiano Correia/Photo Fight

Conquistar o troféu de revelação 2017 do MMA nacional no Prêmio Osvaldo Paquetá foi a consolidação que faltava para o jovem lutador Wallace “St. Pierre” Lopes que cresceu na comunidade de Nova Jersey no bairro de Paciência, zona oeste do Rio de Janeiro.

O menino que começou a trabalhar aos 8 anos de idade capinando terrenos e catando ferro velho sempre sonhou em brilhar no esporte para poder ajudar a mãe e os dois irmãos.

Em 2010, aos 13 anos, começou a trabalhar em uma marcenaria como ajudante e nesta caminhada para defender o pão de cada dia acabou conhecendo o ex-campeão dos médios do UFC, Murilo Bustamente. Nesta época Wallace  trabalhava de dia e fazia um curso pré-militar após o expediente, sempre com a intenção de buscar uma vida profissional e financeira melhor para dar o conforto merecido a sua mãe. Bastou um papo rápido com Murilo Bustamente, em 2012 quando fez um trabalho da marcenaria na casa do lutador, para o menino de Nova Jersey abraçar um novo sonho, se tornar lutador profissional de MMA.

Treinando na BTT com o mestre Vavá em 2014.

“No primeiro momento eu não sabia de quem se tratava, mas fiquei impressionado pois vi muitos troféus, luvas, caneleiras e kimonos na casa. Somente no dia seguinte descobri pesquisando na internet que se tratava de um ex-campeão do UFC. No dia seguinte perguntei ao Murilo(Bustamante) se eu com 15 anos ainda tinha chance de me tornar um lutador profissional, ele me disse que sim e 15 dias após essa resposta eu larguei meu trabalho e apareci na Brazilian Top Team perguntando se poderia começar a treinar.” – conta

Esta grande mudança aconteceu em setembro de 2012, quando passou a treinar na academia de Murilo Bustamante de maneira integral. Se manteve na BTT até 2015, quando migrou para a academia Rio Fighters e está até hoje.

“Eu iniciei meus treinamentos na BTT em 2012 e passava o dia todo na academia treinando jiu jitsu, boxe e mma. Sou muito grato a BTT e ao Murilo, mas por alguns problemas pessoais resolvi encerrar meu ciclo lá. O Milton Vieira me recebeu muito bem na Rio Fighters e foi ali que as coisas começaram a decolar na minha carreira. Fiz muitas lutas no MMA amador até fazer minha estreia profissional no Festival de Lutas da Cufa em maio do ano passado.” – explica

Equipe Rio Fighters liderada por Miltinho Vieira.

A estreia profissional em 2017 foi espetacular, nas duas lutas que disputou as vitórias vieram por nocaute. Os triunfos foram frutos dos treinamentos diários na academia Rio Fighters com os mestres Milton Vieira , Rogério Miranda e Jefferson Teixeira.

“Treino de segunda a sexta, me sinto preparado para qualquer desafio pois minha equipe é completa. Sou muito bem amparado na Rio Fighters. Espero que este ano de 2018 seja ainda melhor para mim e para a minha equipe.” – declara

O jovem lutador venceu o prêmio de lutador revelação de 2017 no Óscar do MMA nacional e de quebra foi o concorrente mais votado dentre todas as categorias do prêmio. Para conquistar o Prêmio Osvaldo Paquetá o lutador da Rio Fighters desbancou Rodolfo Vieira, Daniel Lacerda, Mateus Bozema e Marcos Conrado.

“A vitória do Wallace foi a prova de que disciplina e trabalho duro fazem campeões, tenho certeza de que ele quis ser campeão, é um cara hiper competitivo, está nisso para fazer a diferença, não vou me assustar se daqui a alguns anos estivermos tratando com ele como o atual campeão do UFC , eu já vi esse filme com outros atletas, o Wallace está no caminho certo.” – relata Cristiano Martins, presidente do prêmio.

Começando o ano de 2018 com o pé direito graças aos bons frutos plantados no bom início como profissional, o lutador da Rio Fighters segue aguardando convites para subir ao cage e fazer sua estreia em 2018. No dia a dia ele mantém a mesma rotina de treinar e dar aulas. É claro que carregar o título de lutador revelação tem um certo peso, mas o jovem projeta apenas coisas boas para este ano que se iniciou.

“Eu fiquei feliz com tudo isso que vivi nos últimos dias, minha estreia foi a menos de 1 ano atrás. Tudo isso significa muito pra mim, pois não é qualquer lutador que concorre ao Prêmio Osvaldo Paquetá. Este ano espero fazer boas lutas e se Deus quiser disputar o prêmio novamente como lutador do ano ou nocaute do ano. Agora é trabalhador duro para estar novamente sendo lembrado. Sigo com meu dia a dia normal, morando na Nova Jersey, treinando para me manter bem fisicamente e dando aulas que é algo que amo fazer.” – revela